porque o melhor da vida passa a correr
comentar
publicado por CityJogger, em 02.02.10 às 16:45link do post | favorito

 

 

Devo dizer que apenas fiz uma prova competitiva - a Corrida do Tejo 2008 - e a experiência teve os seus contornos de ironia. A prova é magnífica e é de facto um momento único estar a correr no meio de tanta gente e num percurso deslumbrante (em pleno alcatrão da marginal, entre Algés e Carcavelos), mas tive o azar de me lesionar a cerca de 500 metros da meta. Uma lesão que me levou quase um ano a debelar...

 

Ora, a questão é mesmo essa: uma coisa é correr de maneira casual, no percurso do costume, sem concorrência por perto e outra arriscar uma prova como a Corrida do Tejo?

 

A resposta é um definitivo sim. Mas não pelas razões que possam pensar. 


Se não fosse a minha lesão, a corrida tinha corrido bastante bem, com um tempo até aceitável. Mas a lesão chamou-me a atenção para o facto do meu corpo não estar habituado àquele percurso - mais longo e com várias elevações e descidas - mas sim a um percurso mais curto e plano. Por isso os meus conselhos, se decidirem abordar uma prova deste tip (como a Mini ou a Meia Maratona da EDP que vem aí) são os seguintes: 

  • Escolham uma prova com um percurso parecido com o que fazem habitualmente
  • Não escolham uma prova que seja muito mais longa do que os percursos que fazem habitualmente (o limite será à volta dos 45% mais longa). 
  • Preparem-se com antecedência para a prova, fazendo um percurso similar nos treinos (em distância e relevo). 
  • Na altura da prova, não exagerem no ritmo - mais vale acabar com a saúde intacta, do que bater um recorde pessoal e ficar com uma lesão grave. 

Espero eu próprio começar a ganhar coragem para fazer outra prova. Entretanto desejos de boa sorte com os treinos, para quem se começa a preparar para a EDP!




pesquisar